6 regras que você deve seguir ao desenvolver microlearning

Tempo de leitura: 7 minutos

Regras são feitas para serem quebradas, exceto esses 6 princípios de design de microlearning. Especialmente se você deseja manter os colaboradores engajados e evitar sobrecarga cognitiva.

Créditos: Freepik

6 regras de microlearning que todo desenvolvedor de treinamento online deve seguir

O microlearning é rápido de consumir e tem uma abordagem específica do conteúdo de treinamento. Ele oferece suporte just-in-time quando os colaboradores mais precisam e permite que eles controlem a experiência de T&D. Melhor ainda, você pode reduzir o tempo para completar o curto, as despesas com eLearning e o tédio do aluno. No entanto, as coisas nem sempre saem de acordo com o planejado, particularmente se você quebrar as regras de ouro do microlearning e deixar que os mitos o atrapalhem. Aqui estão as regras de microlearning que todo desenvolvedor de treinamento online deve seguir para alcançar os resultados desejados.

1. Rápido não significa fragmentado

O microlearning exige pouco tempo, uma vez que é projetado principalmente para o momento de necessidade de treinamento e aplicação imediata. No entanto, os colaboradores nunca devem se sentir apressados ou ter a sensação de que as informações estão fragmentadas. Cada atividade de microlearning deve terminar um pensamento completo e servir como uma unidade individual de aprendizagem, embora seja uma unidade minúscula que cobre apenas um subtópico ou tarefa.

Por esse motivo, é crucial focar em um único objetivo para que você possa incluir o essencial sem ultrapassar o limite de tempo. Divida assuntos complexos em atividades separadas se houver muito conteúdo para cobrir. Dessa forma, cada conceito recebe a atenção que merece e os colaboradores podem ver como tudo está conectado.

2. Sempre inclua recapitulações e recomendações

Não há tempo suficiente (ou espaço na mente dos colaboradores) para redundâncias. Não gaste muito tempo resumindo conceitos que eles já deveriam saber. Em vez disso, inclua uma breve recapitulação para esclarecer os pré-requisitos e refrescar a memória.

Por exemplo, especifique a quem se destina a atividade, por que eles precisam das informações e como elas se relacionam com cursos/atividades anteriores. Você também deve adicionar recomendações que eles possam usar para ampliar seus conhecimentos e melhorar a compreensão, como tutoriais, simulações e demonstrações em vídeo que cobrem habilidades ou tarefas relacionadas.

Não os deixe se perguntando o que devem fazer para preencher suas lacunas de aprendizagem. O feedback é de suma importância para o microlearning. Por isso, esclareça onde eles erraram e o que precisam fazer para melhorar o desempenho. Isso pode até ser na forma de uma checklist rápida com links incorporados.

3. Reutilizar para reduzir custos

Microlearning geralmente custa menos do que treinamentos online tradicionais. Leva menos tempo para desenvolver e requer menos recursos (e desenvolvedores). Reutilizar o conteúdo que você já possui diminui ainda mais os custos. Invista em uma ferramenta de autoria rápida para reutilizar recursos e dar-lhes uma cara mais moderna.

Por exemplo, adicione transições, narrações e gatilhos ao seu tutorial em vídeo. Em seguida, use o editor de vídeo integrado para dividi-lo em pequenas demonstrações. Assim, os desenvolvedores de treinamento online não precisam deixar partes do conteúdo de fora para diminuir custos. A regra nº 1 ainda se aplica ao conteúdo reaproveitado.

4. Compreenda os antecedentes dos colaboradores

Você não pode desenvolver conteúdo de microlearning em uma bolha, ignorando completamente as necessidades dos colaboradores em favor dos objetivos de treinamento, pois ambos são igualmente importantes. Você deve entender as origens, preferências e objetivos dos colaboradores para tornar o curso memorável.

Por exemplo, muitos designers de treinamento online cometem o erro ter visão de túnel. Eles ficam tão focados no resultado que se esquecem dos comportamentos de aprendizagem e dos limites da mente humana. Só podemos assimilar quantidades finitas de informações antes que as ideias se espalhem. A realização de pesquisas e avaliações permite definir os parâmetros de treinamento e conhecer seu público.

Por exemplo, se um recurso de microlearning é destinado a colaboradores experientes que já conhecem o básico, então sua base de conhecimento é sólida e essa atividade precisa se basear nela, em vez de fazer com que eles reprocessem as mesmas informações. Da mesma forma, os novos contratados podem precisar começar do início e progredir a partir daí.

5. A aplicação reduz o tempo para completar o curso

Talvez você pense que os recursos baseados em texto são ideais para o microlearning. No entanto, a maneira mais eficiente é fornecer aos colaboradores as informações de que precisam saber da maneira mais direta. A aplicação é a chave para a compreensão. Além disso, reduz o tempo para completar o curso, porque os colaboradores estão aprendendo fazendo, em vez de apenas lendo sobre uma tarefa ou sobre como usar uma habilidade na vida real.

Simulações, gameficações e cenários de ramificação podem ser condensados em formatos pequenos. Diminua o escopo para melhorar a retenção e evitar sobrecarga. Por exemplo, o cenário de microlearning apresenta 5 pontos de tomada de decisão em vez dos 20 habituais. Ele destaca uma política ou etapa específica, em vez de um processo inteiro. Outra forma de facilitar a aplicação é a narração de histórias. Desenvolva micro exemplos, estudos de caso e histórias que enfatizem como os colaboradores podem usar as informações em ambientes reais.

6. Templates são um pilar do Microlearning

Os templates são seus melhores amigos, pois permitem que você atualize rapidamente o conteúdo e mantenha os mesmos princípios de design. Cada recurso de microlearning em sua biblioteca apresenta uma estética diferente, mas permanece fiel à mensagem da marca quando usado no template apropriado. Nos templates, existem espaços reservados para manter seu design organizado e garantir que os elementos de texto/gráficos sejam equilibrados.

Além disso, tenha em mente que o texto não é o único culpado da sobrecarga cognitiva. Muitos recursos visuais podem sobrecarregar os colaboradores e anular o propósito do microlearning. Inclua apenas recursos visuais que apoiem o assunto em questão e forneçam contexto. Evite gráficos controversos e layouts poluídos.

Conclusão

Você pode ser um rebelde do eLearning, criando conteúdo não convencional que deixa uma impressão duradoura, mas essas regras de microlearning são imutáveis. Os colaboradores devem ser capazes de ver como os tutoriais rápidos e as demonstrações se relacionam com a estratégia de treinamento, em vez de obter informações fragmentadas. Eles também precisam de recapitulações para refrescar sua memória e de recursos de acompanhamento para complementar seu conhecimento. Os recursos visuais devem sempre servir a um propósito e todas as ferramentas devem estar alinhadas com o nível de experiência e deveres de trabalho do colaborador. Por último, use aplicações do mundo real para enfatizar o propósito e reduzir o tempo para completar o curso.

Fonte: https://elearningindustry.com/microlearning-rules-online-training-developer-follow

Para diminuir a distância entre a sua gestão e os seus resultados efetivos,
a Raleduc oferece recursos com serviços para EAD que se diferenciam
pela qualidade de seus conteúdos, pela eficiência das metodologias de ensino, pelo uso de tecnologias modernas de aplicação e monitoramento, pela criatividade gráfico-editorial e pela economicidade de tempo
e operacionalidade.

Se você quiser saber mais sobre como a Raleduc pode ajudar você a melhorar seus treinamentos online e montar uma estratégia EAD para a sua empresa, não deixe de falar com nossos especialistas clicando aqui, pelo telefone +55 61 3051 1366 ou manda um WhatsApp.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.