Uma boa liderança sabe comunicar o porquê

Tempo de leitura: 6 minutos

Essa é uma versão traduzida do texto de Nancy Duarte.

No decorrer de uma crise, a comunicação clara é mais importante e mais difícil do que quando as coisas parecem normais. Colaboradores e clientes têm sede de informações; portanto, nos sentimos tentados a fazer apresentações e nos comunicar com urgência, em vez de com cuidadoso planejamento. Porém, se nos apresentarmos sem abordar as principais questões sobre o que, como e por que ao nosso público, semearemos mais confusão do que esclareceremos.

Na minha empresa, reformulamos milhares de palestras todos os anos para grandes marcas e executivos importantes. Quando suas comunicações são de alto risco, a maioria de nossos clientes vem até nós preparados com o que precisa acontecer e como, mas eles raramente respondem à pergunta por que.

Então, por que responder por que?

Vamos colocar desta maneira: se o seu chefe vier até você e disser: “Preciso que você assuma esse projeto adicional além da sua carga de trabalho atual”, qual será sua primeira pergunta? Provavelmente não tem nada a ver com definir seu alarme, reorganizar sua programação ou qualquer outra versão de como você fará o trabalho extra. Quando alguém pede para você alterar um comportamento atual, sua primeira pergunta é geralmente por quê? Isso porque você não tentará algo novo ou difícil, a menos que esteja motivado a fazê-lo.

Seu público não é diferente. Se eles não souberem por que uma nova ação é necessária, não serão motivados para ajudá-lo. Eles continuarão na sua zona de conforto, muito obrigado.

Os comunicadores geralmente negligenciam a resposta ao porquê por dois motivos principais:

  • Eles assumem que explicar o que e como é a maneira mais rápida de influenciar seu público.
  • Eles acham que a resposta para o porquê é tão evidente que não precisa ser respondida.

Pense em uma situação difícil, onde é fundamental que as pessoas se unam e se alinhem. Algo tão simples quanto uma iniciativa interna de definição de equipe ou algo tão grandioso quanto sair da crise econômica em que estamos agora. Digamos que você esteja confiante de que, se seu público executar seu plano, sua empresa sairá ilesa. Você sabe como fazer isso. Você coloca todas essas ideias em uma apresentação apaixonada. Você recebe aplausos e depois… nada acontece.

Você já esteve lá? Você trabalhou em seus cenários, planejamento, pesquisa, validação e investiu energia na comunicação do “o que” precisa acontecer e “como” fazê-lo. Você foi embora decepcionado com a falta de resposta das pessoas cujas vidas serão melhoradas se elas simplesmente fizessem “o que” você disse “como” você disse para fazê-lo.

Vamos dissecar este exemplo um pouco mais.

Os líderes explicam o o que de suas ideias e como aplicar as descobertas. É assim que a maioria dos líderes aborda suas conversas, especialmente os profissionais que são especialistas no assunto. Eles se concentram no conteúdo que desejam compartilhar. Muitos líderes nem consideram o porquê pela perspectiva do público, porque parece tão evidente para eles que acham que é óbvio para todos.

Por outro lado, digamos que você injeta na sua conversa um motivo convincente: “Podemos reduzir as taxas de infecção secundária em 40%, salvando milhares de vidas” ou “Podemos alcançar mais pessoas e ajudá-las a avançar em suas carreiras se divulgarmos nosso conteúdo de graça.” Responder “por que” geralmente leva a um ser humano, que se beneficiará da ação que você está pedindo às pessoas para tomar. Repentinamente fazer isso importa.

Há uma boa chance de você não ser tão claro quanto o exemplo acima. Então, aqui estão três estratégias para ajudá-lo a entender o porquê da sua próxima apresentação.

Faça algumas boas perguntas sobre o que.

As respostas para o por que muitas vezes se escondem em nosso subconsciente, e você pode ter que persuadi-las a sair de lá.

Às vezes, você pode entender o porquê perguntando a si mesmo algumas boas perguntas do tipo “o que”, como: O que está em jogo se fizermos ou não fizermos isso? Como será o futuro se fizermos isso? Qual seria o estado da condição humana se fizéssemos ou não fizéssemos isso?

Outra maneira de entender o porquê é pedir que outra pessoa pergunte “e daí” até que você não possa mais responder. Isso levará você à raiz do “por que”.

Use porque.

Apenas considerar o por que não é suficiente – você precisa articular claramente o porquê. Pense em qual ação você está pedindo ao seu público e, em seguida, siga com “porque”.

Por exemplo, “Precisamos melhorar nosso processo, porque ____.” Qualquer razão segue “precisamos ______, porque _______”. Qualquer que seja a segunda lacuna, ela responderá à pergunta “por que”.

Mostre perspectivas alternativas.

Responda aos céticos e à resistência abordando as perspectivas em potencial que você já eliminou. Pode parecer contra intuitivo revelar algo que não seja a ação que você está influenciando a ser tomada, mas você pode persuadir melhor o público compartilhando ideias que abandonou e “por que” as eliminou. Ao compartilhar as ideias que você considerou, explorou, testou e abandonou, você demonstrará que pensou em todas as possibilidades.

Responder por que é um ato de empatia e acrescenta uma camada de persuasão às suas comunicações. Quando as pessoas sabem por que estão sendo solicitadas a fazer algo, é muito mais provável que o façam.

Em tempos como esses, seus clientes e colaboradores precisam mais de sua sabedoria e liderança do que nunca, e você tem uma oportunidade única de levá-los para frente em meio a incertezas.

Ao procurar inspirá-los e motivá-los a fazer a próxima coisa certa, não se esqueça de incluir o porquê.

Fonte: https://hbr.org/2020/05/good-leadership-is-about-communicating-why

Para diminuir a distância entre a sua gestão e os seus resultados efetivos, a Raleduc oferece recursos com serviços para EAD que se diferenciam pela qualidade de seus conteúdos, pela eficiência das metodologias de ensino, pelo uso de tecnologias modernas de aplicação e monitoramento, pela criatividade gráfico-editorial e pela economicidade de tempo e operacionalidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.