8 maneiras de gerenciar sua equipe enquanto faz distanciamento social

Tempo de leitura: 6 minutos

O Coronavírus interrompeu e reorganizou o local de trabalho com uma velocidade impressionante. No período de uma semana, organizações de todos os setores enviaram milhões de funcionários para casa para trabalhar remotamente. Sem aviso prévio – e em muitos casos, sem qualquer tipo de preparação -, os gerentes foram colocados na posição de líderes de equipes virtuais, muitos pela primeira vez.

É bastante desafiador gerenciar a si mesmo em quarentena sem a interação humana presencial e a estrutura de um dia de trabalho típico. Agora, adicione a isso a tarefa de gerenciar uma equipe nessas condições, especialmente quando você nunca fez isso antes. É assustador.

A imensa pressão e incerteza e uma sensação geral de deslocamento tornam tudo ainda mais difícil. Na quarentena, todos os aspectos da função do gerente são ampliados e complicados. Você precisará redefinir as expectativas de como o trabalho é realizado e adaptar seu estilo de gerenciamento a um novo contexto.

Para ajudar os gerentes que são novos nisso – ou mesmo os gerentes experientes que precisam de orientação adicional nesses tempos difíceis – aqui estão recomendações para apoiar o aprendizado contínuo e o bem-estar emocional de seus colaboradores.

Redefina suas expectativas

A maioria das equipes é socializada e acostumada ao trabalho e à padronização sincronizados. Elas trabalham juntas, localizadas no mesmo escritório, nas mesmas condições de trabalho, com o mesmo horário de trabalho.

Em um ambiente em quarentena, os gerentes devem ajudar suas equipes a mudar imediatamente para o trabalho e a personalização não sincronizados.

Você precisará redefinir as expectativas de como o trabalho é realizado, deixando de lado quando e como as tarefas são realizadas, permitindo que os membros da equipe cumpram suas responsabilidades em seus próprios termos.

Isso significa focar nos resultados e oferecer mais flexibilidade.

Mantenha contato regular

Pesquisas sociométricas comprovam que tempos menores de ciclo de comunicação são mais efetivos na construção e manutenção do moral e do engajamento.

Use mensagens instantâneas para manter contato regular. Não deixe um colaborador passar metade de um dia sem fazer um check-in.

Convém fazer uma reunião todos os dias, de preferência por vídeo, talvez alternando a responsabilidade de quem a lidera. Defina a expectativa de que todos estejam presentes e não se distraiam. Seja modelo do que significa aparecer com o espírito de equipe mesmo que em ambiente virtual.

Apoie a aprendizagem contínua, mas mantenha-a curta

O aprendizado não precisa parar neste novo ambiente, mas pode ser mais prático usar o microlearning.

Concentre-se em compartilhar lições curtas sobre um único tópico em um segmento de 5 a 10 minutos. Esses podem cobrir uma ferramenta, comportamento ou habilidade específica.

Alterne a entrega dessas lições entre os membros da equipe e permita que eles identifiquem seus próprios tópicos para treinamento. Você pode pedir a um membro diferente da equipe para relatar a lição e liderar uma breve discussão sobre a aplicação, a relevância e as implicações do que todos aprenderam.

Designe parceiros e peer coaches para adicionar uma camada de apoio mútuo

Atender às necessidades de todos os membros da equipe esgotará rapidamente a capacidade da maioria dos gerentes.

Para distribuir essa responsabilidade, organize os membros da equipe em pares, com cada indivíduo sendo parceiro e peer coach do designado como sua dupla. Esse modelo de liderança compartilhada cria uma segunda camada de apoio mútuo e protege contra o isolamento emocional.

Peça aos parceiros para fazer check-in diariamente e avaliar o engajamento e bem-estar gerais. Se as pessoas nunca cumpriram esse papel antes, pode ser útil dar algumas orientações.

Interprete tom e voz como aproximações do feedback cara-a-cara

É mais difícil ler as pistas emocionais do seu pessoal quando vocês não estão na mesma sala.

Em vez de confiar em dados não verbais e linguagem corporal, agora você deve confiar em indicadores de proxy (intermediários entre o usuário e seu servidor), como texto, voz e comunicações de vídeo pouco frequentes.

Preste muita atenção a: padrões no tom da comunicação escrita; ritmo, volume, tom e inflexão da comunicação por voz; e quaisquer gestos físicos na comunicação por vídeo.

Se você conhece bem o seu pessoal, as mudanças nesses padrões ajudarão a identificar desde cedo se um membro da equipe precisa de algum suporte adicional.

Modele otimismo e drene o medo da equipe

Otimismo é contagioso. Os líderes que demonstram esperança e confiança no futuro estão mais aptos a ajudar os membros de sua equipe a encontrar significado e propósito no trabalho, especialmente em condições estressantes. E não se esqueça de usar o humor como uma válvula de escape.

Lembre-se de que o medo congela a iniciativa, amarra a criatividade e gera obediência em vez de compromisso.

Por fim, considere que as restrições costumam ser o fator que possibilita a inovação. Convide sua equipe a usar as condições de quarentena como estímulo para novas ideias.

Atualize mesmo se não houver atualização

A incerteza alimenta a ansiedade.

Quanto mais você se comunica e compartilha, menor a chance de desenvolver um vácuo de informações em sua equipe. Comunique-se regularmente, mesmo que você não tenha novas informações para compartilhar.

Manter a transparência com atualizações frequentes no meio de uma crise é a expressão máxima de boa fé, empatia e preocupação genuína com sua equipe.

Avalie continuamente os níveis de estresse e engajamento

Deixe claro para os membros da sua equipe que sua principal preocupação é o bem-estar deles.

Reserve um tempo para monitorar o engajamento, fazendo periodicamente duas perguntas rápidas a cada membro da equipe. Primeiro, em uma escala de 0 a 10, avalie o nível de estresse que você sente atualmente. Segundo, usando a mesma escala, avalie seu nível de envolvimento geral.

Seu senso intuitivo ou impressionista do indivíduo pode estar errado, então isso ajuda a obter respostas quantitativas.

Os seres humanos são criaturas hiper-sociais que desejam pertencer.

A segurança psicológica – onde os membros de sua equipe se sentem incluídos, seguros para aprender, seguros para contribuir e seguros para desafiar o status quo, tudo sem medo de serem constrangidos, marginalizados ou punidos de alguma maneira – é fundamental mesmo em condições de quarentena.

Quando você cria e sustenta essas condições, permite que continuem trabalhando e contribuindo e, talvez o mais importante em um momento como esse, você reconhece a sua humanidade.

Fonte: https://hbr.org/2020/03/8-ways-to-manage-your-team-while-social-distancing

Para diminuir a distância entre a sua gestão e os seus resultados efetivos, a Raleduc oferece recursos com serviços para EAD que se diferenciam pela qualidade de seus conteúdos, pela eficiência das metodologias de ensino, pelo uso de tecnologias modernas de aplicação e monitoramento, pela criatividade gráfico-editorial e pela economicidade de tempo e operacionalidade.

[contact-form to=”rafael@raleduc.com.br” subject=”Contato interno do blog”]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.