Mobile Learning: o ensino e a aprendizagem na palma das mãos

Tempo de leitura: 7 minutos

Em um período de tempo muito curto, a tecnologia da informação passou a ser parte do nosso dia a dia, não havendo praticamente mais distinção do que chamamos de “mundo on-line” e “mundo off-line”. Diante da ascensão da internet nas últimas décadas, não podemos deixar de apontar a popularização do uso dos dispositivos móveis.

Utilizados para várias finalidades, esses dispositivos característicos por sua portabilidade e convergência midiática também passaram a ser explorados para fins educacionais, através daquilo que foi denominado de mobile learning, ou aprendizagem móvel, em tradução livre.

Basicamente, o mobile learning consiste na aplicação dos conceitos de ensino e aprendizagem através de dispositivos móveis. Ou seja, é a aprendizagem amparada por smartphones, tablets, notebooks, entre outros portáteis relativamente pequenos.

Porém, antes de nos aprofundarmos nas possibilidades dessa modalidade educacional, é preciso lembrar que o potencial encontrado nas tecnologias não existe somente nelas, mas na convergência entre os meios tecnológicos e o ser humano. Ou seja, embora as tecnologias possuam bons potenciais relativos, se não houver preparo adequado dos alunos para garantir o bom desenvolvimento e exploração de seus potenciais, não haverá qualquer transformação para os meios educativos.

Um passo essencial para dar início ao adequado uso dos dispositivos móveis é incorporá-los em vez de bani-los. Não é raro testemunharmos o celular assumir o papel de grande vilão, responsável pelo desvio de atenção em reuniões ou aulas. De fato, muitas vezes ele é, mas, então, por que não usar da atenção que já damos a ele no lugar de perdê-la? A resposta está aí mesmo, através do mobile learning.

Entre os dispositivos móveis mais utilizados para o mobile learning, o smartphone é o que ganha disparado. Listamos os motivos para usá-lo no processo de ensino-aprendizagem: a familiaridade no manuseio; a tecnologia bastante comum; facilidade de levá-lo a qualquer lugar; a possibilidade de suportar diversas mídias (texto, imagem, vídeo e som); usabilidade intuitiva; mobilidade e portabilidade; e, por último – e muito importante –, conexão com a internet, o que amplifica o acesso a todo tipo de informação.

Vantagens dos dispositivos móveis na aprendizagem

  • Usado como material complementar a um curso presencial, por exemplo, o mobile learning aumenta a gama de possibilidades interativas dos recursos disponibilizados pela instituição educacional ou empresarial. Isso significa que o aluno, fora da sala de aula, poderá ver vídeos, ouvir áudios ou eventualmente utilizar aplicativos que o ajude a fixar conteúdos aprendidos.
  • O aluno poderá acessar o conteúdo em qualquer lugar e a qualquer momento, o que reforça sua conveniência. Se o conteúdo disponibilizado for adequado ao aprendizado móvel, ele será leve, para que possa ser rapidamente baixado. Ou seja, o aluno poderá fazer downloads de textos e lê-los enquanto estiver no ônibus, assistir a vídeos enquanto estiver na fila do banco, entre outras situações.
  • O curso presencial permite proximidade relativa com o educador, por outro lado, através do mobile learning, há a possibilidade de o educador interagir e/ou monitorar as atividades de seus alunos com atenção direcionada.
  • O mobile learning possibilita ao estudante estabelecer métodos diferenciados de estudos, utilizando a conexão com a internet para pesquisar visões distintas ou complementares àquelas passadas pelo educador.
  • Locais onde a educação tradicional (estabelecida em sala de aula física) é considerada de difícil acesso, por motivos diversos, o mobile learning pode ser uma alternativa viável, uma vez que esta modalidade de ensino não demanda estrutura física e necessita de pouco gasto para ser aplicada.
  • Através de ferramentas como chats, redes sociais e outros tipos de aplicativos, é possível que os estudantes procurem conectar-se entre si para aprenderem colaborativamente, trocando ideias, sanando dúvidas comuns, compartilhando conteúdos, entre outras interações produtivas.
  • Ao contrário dos conteúdos de cursos presenciais, que demoram mais para ser atualizados ou entregues aos alunos, os conteúdos do mobile learning podem ser rapidamente atualizados e instantaneamente acessados pelos alunos, praticamente no mesmo momento em que as alterações são feitas.

  • O aprendizado em plataformas móveis permitem e incentivam a expansão de novas estratégias de ensino, utilizando-se de novas tecnologias e metodologias, como por exemplo, a criação de games, conforme falaremos mais adiante.

 

Métodos de aprendizagem no mobile learning

Aplicativos: podem tanto ser usados quanto criados pelos usuários a fim de proporcionar aprofundamento no processo de aprendizagem do conteúdo. Seus tipos podem ser os mais variados, desde aplicativos que desenvolvem questionários até aplicativos que elaboram materiais de revisão de conteúdo.

Videoaulas: podem ser “pílulas de vídeo”, com duração entre dois e cinco minutos no máximo, que abordem o conteúdo do curso em tópicos bastante elucidativos ou que respondam passo a passo alguma questão.

Games: também podem ser jogados ou criados pelos usuários, com a finalidade de memorizar conceitos e facilitar a compreensão de outros, utilizando-se de personagens, cenários e processos de jogabilidade variados.

Redes sociais e chats: têm por finalidade principal a conexão entre usuários, a troca de informações e de experiências entre eles.

E-books e textos: podem ser blocos de textos bem diagramados em PDF ou textos soltos em outros formatos, que aprofundem o conteúdo estudado.

Podcasts: podem ser “pílulas de áudio”, entre dois e cinco minutos no máximo (como os vídeos), que tragam algum tipo de atividade complementar às outras mídias.

E o papel do professor?

Os dispositivos móveis tornam o usuário autônomo no processo de ensino-aprendizagem, já que ele, sozinho, é capaz de acessar todos os recursos disponibilizados no aparelho e efetivar seu estudo. Sob esse ponto de vista, o papel do professor é questionado. Entretanto, cabe justamente ao educador não mais ceder a informação pronta, lapidada, mas orientar a aprendizagem do aluno e mostra-lo os diversos ângulos que a informação possui.

Mobile Learning Academy

O MLA é um aplicativo que auxilia universidades, faculdades e escolas a criarem programas educacionais que integram jogos baseados em localização, transformando seus estudantes em especialistas históricos, jornalistas de bairro, cientistas ambientais ou urbanistas. Desse modo, além de jogar, os estudantes aprendem e criam aprendizado. O aplicativo dá as diretrizes e ferramentas para criá-los e reproduzi-los, além de métodos para implementá-los.

O Mobile Learning Academy está disponível gratuitamente para Android no Google Play.

Concluindo…

Portanto, o mobile learning é uma modalidade de ensino ainda em expansão, mas em seus primeiros passos ela já mostra que a tendência é continuar crescendo, não para tirar o espaço de outras modalidades de ensino, mas sim para complementá-las. Intrinsecamente a essa nova forma de aprender, está o uso de dispositivos móveis, fenômeno natural em nossa sociedade. Por isso, nada mais justo do que usar esse fato em prol da educação, conciliando tecnologias cotidianas e aprendizagem. Trata-se agora de não mais debater se smartphones, tablets e outros poderão ser protagonistas do ensino e aprendizagem (pois já o são), trata-se de desvendar novas maneiras de tirarmos proveito de mais aprendizagem.

Raleduc é uma empresa comprometida na busca por melhorias aos seus clientes, funcionários e amigos. Por isso, é fundamental a partilha do conhecimento.

E aí, gostou do artigo? Compartilhe com seus amigos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *