Alimentação para o estudo EAD

Tempo de leitura: 6 minutos

As épocas de provas estão chegando e qualquer ajuda é bem vinda, não é? Como a equipe Raleduc está sempre pensando no seu bem, temos uma dica que, no seu dia a dia parece inofensivo, mas que faz toda a diferença no resultado.

Parece bem simples estudar: livros na mesa com alguns marca-textos; mas não, não é bem assim. Estar com uma boa alimentação faz toda a diferença quando você quer se sair bem naquela prova que é muito importante (enem).

Não só para provas, mas o rendimento quando você se alimenta de maneira adequada, tanto para o estudo presencial quanto para o EAD, melhora consideravelmente. Aliás, melhora sua vida pessoal.

Pensa com a gente: se comidas leves fazem bem para uma pessoa que precisa de concentração para meditar, deve fazer bem para quem quer estudar, certo? Certíssimo! Fernanda Pisciolaro, nutricionista e membro da ABESO (Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica) fala: Os estudos podem ser prejudicados por uma alimentação desorganizada e pobre em nutrientes. E completa: É necessário comer pequenas quantidades de alimentos, fracionadas em várias refeições, para facilitar a digestão.

Faz sentido, né?

Evite!

Sabemos que comidas saudáveis e equilibradas são boas para a vida pessoal, acadêmica e profissional, certo? Mas o que devemos evitar?

Glúten

O primeiro vilão do artigo de hoje é o glúten. Segundo o Wikipédia o glúten resulta da mistura de proteínas que se encontram naturalmente no endosperma da semente de cereais da família das gramíneas, subfamília Pooideae, principalmente das espécies da tribo Triticeae, como o trigo, cevada, triticale e centeio.

Os alimentos que você deve evitar são todos aqueles que contém essa proteína. Biscoitos, pães, bolos… A motivação, que é sempre bem vinda quando se trata de estudo, acaba se perdendo pelo excesso de glúten, estando associado à diminuição da produção de serotonina (hormônio do bem-estar), levando a quadros de depressão. Complicado, não é?

O Glúten tem ação tóxica ao cérebro, causando inclusive distúrbios comportamentais como alteração do humor, agressividade, enxaqueca e falta de concentração, além da intolerância alimentar, desconforto abdominal, gases, retenção de líquidos, obesidade, etc.

Gordura trans

EAD

O outro vilão é a gordura trans. Igualmente ao glúten, ele é super ruim para o corpo e assim, como consequência, para o desempenho na hora de estudar.

Como no ensino a distância, o que você mais precisa é de força de vontade, um desânimo, preguiça e/ou qualquer uma das consequências causadas pela má alimentação, é um problema para você, aluno.

Essa gordura está presente em produtos industrializados, ou seja, muita coisa que consumimos diariamente. Com a ajuda do cansaço e do desgaste do decorrer do dia, um lanche rápido pode ser a alternativa de muitos alunos, mas não é a melhor.

  • Aumento do Colesterol “ruim” (LDL) no sangue, o que aumenta as chances de doenças do coração;
  • Diminuição do Colesterol “bom” (HDL), que é um dos principais colaboradores na hora de evitar problemas cardíacos;
  • Aumento do triglicérides no sangue;
  • Bloqueio na produção de gorduras “saudáveis” (insaturadas) no corpo;
  • Aumento da Gordura Localizada;

Essas são consequências que a gordura trans trás para sua vida. Então vale a pena gastar um pouco mais de tempo e até mesmo de dinheiro para ter uma alimentação saudável.

Invista! 

  • Ômega-3: favorece a comunicação entre os neurônios e, assim, melhora a concentração, a memória e o aprendizado em geral. Pode ser encontrado em peixes de água salgada como sardinha, arenque e cavala, além das sementes.
  • Vitaminas do complexo B: ajudam na energia, melhoram a memória e auxiliam na comunicação dos neurônios e no desenvolvimento deles. Está presente principalmente em proteínas animais (carne vermelha, aves e ovos) em leguminosas como feijão, lentilha e grão de bico, e nas sementes, como nozes, castanhas e amêndoas.
  • Sálvia (chá ou salada): aumenta o poder de concentração em até três horas. Ingerir meia hora antes dos estudos.
  • Açafrão: Inibe a morte de neurônios – no máximo 1 colher de chá por dia (Pode ser usado no arroz).
  • Ferro: forma a hemoglobina, que oxigena o sangue e o cérebro – fortalecendo a parte metabólica e energética.
  • Nitratos: Alimentos ricos em nitratos aumentam a irrigação do sangue no cérebro e são recomendados para quem desenvolve trabalhos intelectuais. A indicação é consumir beterraba, repolho, espinafre, nabo e aipo.
  • Colina: aminoácido importante para as células nervosas que ajuda, portanto, a memória e a cognição. Presente na gema do ovo e na soja.
  • Carboidratos: cereais integrais evitam a sonolência depois do almoço e deixam o estudante mais alerta, isso porque as fibras presentes nos carboidratos integrais ajudam a liberar glicose no organismo aos poucos. A falta de carboidratos prejudica a memorização, a concentração e o aprendizado. A indicação é consumir arroz, pão e macarrão integral, além de aveia.
  • Cafeína: combate a fadiga mental e ativa o sistema de alerta. Consumir café e chá preto e verde. O chocolate também contém cafeína, além de melhorar o estresse, porque libera endorfina. A indicação é o mais amargo. O excesso de ambos, entretanto, é prejudicial.

EAD

O desanimo na hora de sentar e estudar é comum justamente pela influência da alimentação. Pouca gente sabe, mas o tipo de alimento que você consome pode ser definitivo inclusive para seu humor podendo causar sonolência, cansaço e irritabilidade, por exemplo.

Mas lembre-se: uma visita à um profissional trará resultados consistentes baseado em você e só em você. Cada pessoa é diferente, então talvez a cafeina, por exemplo, não seja recomendado para você, seja porque você não é sensível ou porque você é super sensível causando assim problemas futuros. Então visite um especialista, conheça seu corpo e assim, consiga melhores resultados.

Conclusão

No artigo de hoje, entendemos como cada alimento reage ao intestino, causando assim consequências ou benefícios na vida pessoal, profissional e acadêmica.

Vimos alimentos que devem ser evitados como o glúten e que podem e deve ser adicionadas ao cardápio como ômega-3 a açafrão, por exemplo. Com cada um com seus benefícios, vimos como atuam no corpo e como podem melhorar o seu estudo presencial ou EAD.

E ai, o que achou do texto? Tem algo a acrescentar? Quer nos contar sua experiência com alimentação? Entre em contato conosco, estamos aqui por você!

Nos ajude a disseminar o conhecimento. Compartilhe com os seus amigos!

Fontes usadas para a construção do artigo: Segredos de Concurso, G1, Terra, Minha Vida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *